Organização

10 dicas para planejar uma viagem sozinho e curtir as férias sem medo

Antes de viajar, planeje quais lugares vai visitar e quanto dinheiro vai precisar levar
Antes de viajar, planeje quais lugares vai visitar e quanto dinheiro vai precisar levar

Para alguns, viajar sozinho é uma mera rotina, enquanto para outros ainda é uma ideia que dá para muito medo. Se reconheceu nesse segundo grupo? Então saiba que encarar de frente esse desafio pode te trazer ótimas experiências! Além de conhecer gente nova você vai poder criar o próprio roteiro, sem nunca depender de ninguém para fazer o que quiser a hora que preferir. Com isso, ganha mais autoconfiança e aprende a apreciar a melhor companhia que você poderia ter: a sua! Bora embarcar numa viagem? Então veja as nossas 10 dicas para não enfrentar nenhum perrengue no seu destino:

1. Planeje tudo com antecedência

A dica número 1 é talvez a mais óbvia: planeje tudo com antecedência. Quanto mais tempo você tiver para se organizar menores as chances de sofrer com algum imprevisto ao chegar no seu destino. Se ainda assim você não sabe por onde começar se liga nos nossos tópicos e vá fazendo um check conforme for resolvendo cada uma dessas pendências:

- Decida o roteiro;

- Reserve a hospedagem;

- Selecione os passeios que quer fazer (e veja se você ganha desconto ao pagar com antecedência);

- Confira qual época do ano é a mais indicada para viajar para o seu destino (seca, chuvosa, sem furacão ou terremoto, com ou sem neve e por aí vai);

- Veja a previsão do tempo para escolher as melhores roupas;

- Calcule quanto dinheiro precisará levar (e tenha um plano B para caso enfrente alguma emergência);

- Para viagens internacionais, veja se para você vale a pena comprar um chip local.

Para quem não gosta de ficar "preso" a um roteiro predefinido, nossa dica é ao menos selecionar os lugares que você gostaria de visitar. Assim, a cada dia você vai decidindo o que quer fazer conforme o seu interesse ou a previsão do tempo, por exemplo. O mais importante é já ter uma ideia para não chegar completamente perdido, porque para descobrir o que fazer pode te demandar um tempo extra que você poderia gastar curtindo o lugar que está visitando.

2. Fique atento à documentação

Embora esse tópico possa se enquadrar no anterior resolvemos dar destaque a ele por ser um fator muito importante. Aqui não falamos só de possíveis vistos para viagens internacionais, mas de qualquer tipo de documento que você precise ter para não enfrentar nenhuma dor de cabeça no seu passeio. Por exemplo, em alguns lugares do Brasil o mais indicado é ter tomado a vacina contra a febre amarela. Afinal, já pensou em ficar doente na viagem? Nada disso!

Já se for para outro país cogite fortemente fazer um seguro viagem, que vai te permitir consultar médicos caso fique doente. Algumas empresas oferecem esse benefício aos seus funcionários, mas nem sempre eles sabem disso. Vale a pena perguntar para economizar um dinheiro extra. Ah, para alguns lugares esse seguro é obrigatório, ok? Então é bom conferir isso algum tempo antes de viajar.

3. Faça o download do mapa dos lugares que você vai ficar

Como aqui quem vai se virar é você, vale a pena garantir que não vai se perder, certo? Então para evitar ficar a mercê do wifi ou 3G, nossa sugestão é fazer o download do mapa de cada cidade que você for visitar (o Google Maps, por exemplo, oferece essa opção). Lembrando que mesmo dentro do Brasil o sinal pode ficar ruim, ainda mais em cidades pequenas, onde muitas vezes apenas uma operadora de celular funciona de fato. Na dúvida, baixe o mapa para ficar tranquilo.

4. Hospede-se em hostels

Muita gente tem um certo receio de se hospedar em um hostel, mas acredite: é a melhor coisa para viajantes individuais. Isso porque o ambiente descontraído vai te permitir conhecer outras pessoas, seja na área comum, na cozinha ou mesmo no dormitório. Não quer dividir o quarto? Tudo bem, você também pode reservar um só para você! Vai ser um pouco mais caro, mas se dinheiro não for o problema essa opção pode ser a ideal, já que você não vai precisar abrir mão do clima do hostel.

5. Mala de rodinha nem sempre é uma boa ideia

Considere levar apenas uma ou nenhuma mala de rodinha na sua viagem. Dependendo do lugar que você for conhecer ela pode se tornar o seu pior pesadelo. Imagine só ter que, por exemplo, subir uma rua de pedras com esse tipo de mala? É por isso que muita gente viaja com grandes mochilas, por mais que elas possam pesar nas costas. Locais em que você vai precisar atravessar praias, então, elas devem ser abolidas! Lembre-se que não vai ter ninguém para te ajudar, o que faz com que a escolha tenha que ser prática. Nossa sugestão para cidades é levar uma de rodinha e uma mochila nas costas. Não se esqueça de sempre ter uma mão livre (o que não ocorre quando você tem duas malas de rodinha), ela será muito útil, acredite!

6. Leve os remédios que você pode precisar

Mesmo tendo - ou não - um seguro viagem é bom levar os remédios que você já está acostumado a tomar em emergências, porque você pode não encontrá-los no seu destino. Seja para cólica, dor de cabeça, alergia ou o que for, eles podem te salvar em momentos de necessidade. É sempre bom lembrar: na pior das hipóteses você não vai ter ninguém para ir na farmácia para você caso esteja passando mal, então o melhor é ter tudo o que precisa em mãos mesmo.

7. Pochetes são muito úteis

Caso você não seja adepto das pochetes, nossa sugestão é rever essa implicância, ao menos durante a viagem. Ela é muito prática, e você pode guardar seus principais documentos lá, seja identidade ou passaporte. Seus cartões, o dinheiro do dia a dia e outros itens importantes também devem ficar lá. Já para o resto do dinheiro (caso viaje com ele) a dica é colocá-los em uma doleira. Isso porque é meio chato tirar as notas de lá, especialmente se você estiver usando muita roupa em um local frio. Portanto, moedas e notas pequenas ficam na pochete, enquanto as grandes por dentro da roupa, na doleira.

8. Descubra o valor médio de refeições e roupas

Uma boa forma de não gastar mais do que o planejado - afinal, ninguém vai poder te emprestar dinheiro - é ver com antecedência quanto custam as refeições e demais coisas que você planeja comprar. Muitas vezes o café da manhã que o hostel oferece à parte não é tão vantajoso quanto comer em uma padaria, por exemplo. Já o almoço no centro turístico pode ser bem mais caro que um igual a duas quadras de distância. O mesmo vale para roupas e qualquer outra coisa que você estiver pensando em comprar. Assim, dificilmente alguém vai te passar para trás - medo muito comum entre pessoas que viajam sozinhas.

9. Tenha uma mochila ou bolsa pequena para carregar itens extras, se necessário

Sabe essas mochilas usadas na escola ou faculdade? Então, vale a pena levar uma delas na sua viagem. Nelas coloque outros itens que serão essenciais para passar o dia, como lanchinhos (batatas chips e sanduíches sempre caem bem, fica a dica), protetor solar, água (ou suco), guarda-chuva, casaco e água. Se tiver que guardar algum documento que não caiba na pochete pode colocar lá também, mas dentro de uma pasta, para não sujar.

10. Tenha um carregador portátil

Por fim, um mero carregador portátil pode te salvar em um momento de sufoco. Afinal, é normal usar o celular para tirar fotos, gravar vídeos ou mesmo falar com os amigos, mas se o seu aparelho tende a gastar energia rápido isso pode ser um problema. Na dúvida, tenha sempre um carregador portátil carregado contigo. Afinal, na emergência ele pode ser um grande salvador da pátria.

Matérias: Organização

Ver mais