Economia do lar

Vale refeição ou vale alimentação? Vale a pena dividir o saldo entre os cartões de benefício?

Cozinhar em casa é mais barato que comer na rua, mas é preciso ter tempo para preparar as refeições
Cozinhar em casa é mais barato que comer na rua, mas é preciso ter tempo para preparar as refeições

É cada vez mais comum conhecer pessoas que ganhem um vale refeição da empresa. Embora o objetivo seja usar para comer fora no horário de almoço do trabalho, muitas pessoas conseguem deixar sobrar ao menos um pouquinho para aproveitar esse saldo no fim de semana com os amigos. Ao mesmo tempo, em muitos casos é possível dividir esse valor com um vale alimentação, que é usado em supermercados. Mas aí entra a dúvida: ao fazer isso, como vai sobrar alguma coisa no fim do mês? Será que realmente vale a pena botar metade da quantia em um e a outra metade em outro?

Se questione em relação à comida

Acredite se quiser, mas para responder a essas perguntas é preciso fazer outras. Antes de mais nada, comece a pensar na sua rotina diária em relação às suas refeições no horário de intervalo no trabalho. Agora, responda: você come muito ou pouco por dia? Costuma ir a restaurantes a quilo ou à la carte? A comida é barata ou cara? Tudo isso deve ser levado em consideração antes que você decida a forma que vai receber o seu vale.

Por exemplo, se você é do tipo de pessoa que come muito em restaurantes a quilo caros essa pode ser a razão para o seu vale refeição acabar antes da hora. Nesse caso, pode ser uma boa ideia passar a preparar comida em casa, já que comprar no mercado sai bem mais barato. Mas se você aproveita o a quilo para colocar pratos que sairiam mais caros se preparados em casa, como frutos do mar, e consegue terminar o mês com uma sobra no cartão, não tem porque se iludir: é melhor manter manter só o vale refeição mesmo.

Faça as contas

Preparar comida em casa é mais barato na maioria dos casos. A não ser que você faça compras em um mercado caro e coma no intervalo do trabalho em um restaurante muito em conta, vale mais a pena fazer a famosa comprinha do mês ou da semana. Se você duvida basta usar o brigadeiro como referência. Nunca parou para pensar que, em vez de comprar ele na rua, vale mais a pena financeiramente preparar uma panela bem grande do doce em casa? Então! O mesmo vale para pratos salgados.

Se você recebe R$ 400 por mês desse tipo de benefício e resolve dividir nos dois cartões cada um deles vai ser recarregado com R$ 200. Mas mesmo que o valor seja reduzido pela metade ainda assim o mercado sai mais em conta. Com R$ 10, por exemplo, dá pra fazer macarronada para vários dias, enquanto o valor mal paga o prato em um restaurante. Anote o que você costuma comer e quanto vai gastar para preparar essas refeições em casa. Se no fim perceber que vale mais a pena preparar a comida, pode dividir o saldo do cartão sem medo.

É preciso tempo para preparar!

Não importa se você cozinha todo dia ou apenas uma vez por semana: é preciso tempo para preparar as marmitas. Dependendo do quão ágil você é com as panelas esse processo pode levar mais ou menos tempo, mas de qualquer forma vai ser essencial separar uma parte da sua rotina para cozinhar.

Não tem tempo pra nada? Então melhor adiar essa ideia de dividir os vales. Afinal, não adianta colocar metade do dinheiro no vale alimentação e depois usar o saldo apenas para comprar lanchinhos. Não que comprar um snack às vezes seja ruim! Mas se o objetivo era sobrar saldo no vale refeição, não vai ajudar muito. Caso você não tenha tempo mesmo, é melhor esperar um pouco sua rotina desafogar.

Tem lugar para esquentar?

Digamos que você tenha sim tempo e disposição para preparar as suas marmitas. Maravilha, não? Só que na hora que chega com ela no trabalho descobre que não tem como esquentar a comida! Antes de ficar muito animado com a ideia de fazer suas próprias refeições, veja se o seu trabalho tem um micro-ondas ou uma estufa. Aliás, não se esqueça de verificar se ele tem geladeira também! Dependendo da hora que você for comer, a comida pode estragar por ficar muitas horas na sua bolsa.

Cogite mudar tudo para vale alimentação

Se a ideia de preparar a comida em casa realmente te empolgou, que tal trocar tudo para vale alimentação? Além de ser muito mais saudável, dependendo da quantidade que você prepara pode realmente valer a pena abandonar o vale refeição. Pense em quanto você gasta por semana no mercado e em restaurantes, e, se a balança pesar mais pro lado das compras para a casa, nem tem mais o que pensar, né? A não ser que você já tenha dividido o benefício e esteja sobrando nos dois, o que significa que você não está tirando dinheiro do bolso em nenhuma hipótese. Se for esse o caso, nem tem porque mudar!

Matérias: Economia do lar

Ver mais