Pets

Como alimentar gato recém-nascido? Veterinária ensina quais cuidados tomar nessa fase

A alimentação de gatos recém-nascidos deve ser administrada com rações específicas para filhotes e para o seu tipo de porte
A alimentação de gatos recém-nascidos deve ser administrada com rações específicas para filhotes e para o seu tipo de porte

A fase alimentar de gatos recém-nascidos é sempre um desafio! São diversos tipos de rações - que variam de acordo com a faixa etária do animal -, alimentos não permitidos, quantidades corretas de comida e outras (muitas) especificidades à parte. Para sanar todas as dúvidas sobre o assunto, nós entrevistamos a veterinária Caroline Mouco Moretti e perguntamos quais são os cuidados necessários para essa fase inicial da vida do pet.

Alimente o pet recém-nascido com rações específicas para filhotes 

Até pelo menos a quarta semana de vida do gato recém-nascido nenhum alimento é tão completo e necessário quanto o leite materno! Só após esse período é permitido das a ração para filhotes. De acordo com Caroline Mouco, "Assim que os recém-nascidos passam pelo processo de desmame (o que normalmente ocorre antes da adoção), eles devem ser alimentados com ração industrializada própria para filhotes e específica para seu porte".

Ou seja, a faixa etária e o porte do gatinho (pequeno, médio ou grande) são fatores importantes para a escolha da ração. "Consideramos que o gato é filhote até aproximadamente um ano de idade. Após isso, o consideramos adulto (até 7 anos) e depois se inicia a fase senil".

É possível também, segundo a veterinária, preparar uma alimentação natural balanceada para o filhote, desde que ela seja feita por um nutrólogo e tenha, somente, os alimentos permitidos - como brócolis, carne de frango cozida, peixe desfiado e miúdos.

Opte pelo melhor tipo de ração - seca ou úmida

A ração seca é a melhor opção, até por ser a mais "comum" e disponível no mercado, mas há muitas vantagens da ração úmida - erroneamente interpretadas como "brindes" ou "presentinhos" - que devem ser levadas em consideração. Isso é especialmente verdade quando o assunto é sobre a comida dos felinos!

"Se a alimentação escolhida for a industrializada (ração), existem três opções: totalmente seca, integralmente úmida - usando sachês com caldo de carne, por exemplo - ou até mesmo balanceada com porções de seca e úmida", afirma a veterinária.

No entanto, "É importante ressaltar que uso da ração úmida serve para aumentar a ingestão hídrica. Os gatos são seletivos no modo da ingestão de água. Eles não gostam de água parada, têm preferências por ingestão de fontes correntes como torneiras etc. E já que se trata de gatos recém-nascidos, o manejo hídrico deve ser bem instruído", explica.

Higiene, castração e outros cuidados também devem ser considerados

Não é apenas a alimentação que influencia na saúde dos felinos. No caso dos gatos, por exemplo, a caixa sanitária também é relevante. De acordo com Caroline, o mais indicados para o manejo higiênico é areia, sílica ou serragem. De qualquer forma, a caixa deve ser limpa pelo menos uma vez ao dia (mesmo que superficialmente) e o seu conteúdo deve ser trocado de 15 em 15 dias.

A veterinária complementa: "É essencial observar a quantidade e a frequência de fezes e urina com bastante atenção, já que os felinos têm maior predisposição a doenças do trato urinário". Ela afirma ainda que a castração também deve ser considerada ainda filhote e que, não menos importante, "Devemos dar ênfase na posse responsável". Por isso, evite passear com o seu felino na rua (faça isso apenas com orientação médica) e sempre fique de olho no seu amiguinho!

* Caroline Mouco Moretti (CRMV-SP 27079) é formada em Medicina Veterinária pela Universidade de Guarulhos

Matérias: Pets

Ver mais